29 de ago de 2018

Quatro autoras lésbicas que você precisa conhecer!



Em 29 de agosto é comemorado o dia nacional da visibilidade lésbica com o objetivo de combater a lesbofobia e invisibilização da mulher homossexual. Para celebrar um dia tão importante como este e sabendo que consumir as obras de artistas lésbicas é de suma importância, nós, da equipe do blog do Caneca, decidimos trazer para vocês 4 escritoras lésbicas que merecem mais visibilidade e reconhecimento por seus grandes feitos pela literatura:

Alison Bechdel
Autora (ao centro) com o time de "Fun House" durante premiação de melhor musical no prêmio Tony, em 2015.
Foto: Theo Wargo/Getty Images

A cartunista estadunidense e criadora do teste de Bechdel, que avalia a preconceitos e estereótipos femininos no cinema, lançou seu primeiro trabalho tratando de relacionamentos lésbicos ainda nos anos 80 com o título de “Dykes to Watch Out For”, posteriormente ficou mais conhecida pelo seu premiado HQ “Fun Home: uma tragicomédia em família” que ainda recebeu adaptação para musical levando a primeira protagonista lésbica para a Broadway e sendo premiado com cinco Tony Awards. Seu trabalho mais recente é o HQ “Você é Minha Mãe? ” Publicado no Brasil em 2013 pela Companhia das Letras.

Cassandra Rios
Foto: AdoroCinema

Aos 16 anos Cassandra Rios lançou seu primeiro livro “A volúpia do Pecado” que se tornou a primeira obra brasileira com personagens lésbicas publicada ainda em 1948. Durante sua vida a autora teve 36 livros publicados retratando em sua maioria mulheres LGBT em romances que rompiam com o estereótipo da época da mulher movida pelo amor romântico, entretanto sua obra foi altamente censurada sendo que aos 21 anos foi condenada à prisão domiciliar por conta da temática de suas publicações. Apesar de todas as tentativas sua voz não foi silenciada a autora se tornou a primeira mulher a vender um milhão de exemplares no Brasil.

Patrícia Highsmith
Foto: Murder & Mayhem

A autora, que teve seu primeiro livro “Strangers on a Train” adaptado ao cinema por Alfred Hitchcock, marcou a literatura lésbica ao escrever “Carol” o primeiro romance entre duas mulheres com um final bem-sucedido de extrema importância para a representatividade lésbica que finalmente pode encontrar um final feliz para um casal de mulheres homossexuais.

Safo
Safo e Erinna em um Jardim em Mytllene, 1864 (Galeria tate Britain)

É verdade que a maior parte das obras da mais conhecida poetisa da Grécia Antiga se perdeu ao longo da história devido a censura época medieval, mas ainda é possível encontrar fragmento de seus poemas como “Adeus a Atis”, a primeira poesia de cunho lésbico a marcar a história ocidental. É também dela que advém a palavra lésbica, já que Safo nasceu na ilha de Lesbos e se tornou conhecida por seu amor a mulheres.


Por Jenifer Romero