11 de jul de 2018

Universidades do abuso: a realidade das estudantes


Quando é que vamos falar sobre os abusos que acontecem dentro das universidades ou de espaços de convivência e/ou moradia dos estudantes? Os números não param de crescer nas universidades brasileiras e ninguém diz nada! 

Uma pesquisa realizada pelo Instituto Avon, em 2015, afirmou que cerca de 67% das mulheres foram vítimas de violência cometidas por um homem dentro do ambiente universitário ou das festas acadêmicas. 

A maioria dos acusados não sofreu nenhum tipo de punição justa - no máximo uma suspensão de alguns dias por parte da universidade. Essa impunidade é extremamente perigosa e precisa ser mudada urgentemente, pois dá segurança de que eles continuarão suas vidas livremente. Dá margem para que possíveis assassinatos ocorram – como aconteceu na Universidade de Brasília, onde uma aluna foi dopada e morta dentro de um laboratório da universidade. 

Não é justo que as mulheres sejam privadas de uma educação de qualidade e de lazer só porque alguns homens acharam que tinham algum direito sobre o corpo delas. 

A cultura do estupro está presente na sociedade de forma que casos como esses foram naturalizados. Onde se tornou normal buscar justificativas para esses crimes. Onde a culpa é da roupa, do excesso de bebida, da pressão universitária, da mulher, de tudo menos de quem deveria ser.

O que tem sido feito por parte das próprias estudantes, ainda mais depois com a maior conscientização sobre o feminismo, é assumir os riscos de denunciar os casos para que, pelo menos, outras mulheres não tenham que passar por aquelas situações. Uma pela outra.

Independente do que pode, ou não, acontecer com o acusado, é importante denunciar. É importante que esse assunto seja cada vez mais visibilizado para que essa triste realidade seja mudada.

 Nós, mulheres, temos direito de ocupar todos os espaços que quisermos. E  ninguém vai nos tirar das universidades. Nem de lugar nenhum. Nós vamos gritar até que nos ouçam para que a justiça seja feita.