19 de fev de 2018

A realidade das #MulheresNoTrabalho


Esse mês de fevereiro teve um movimento chamado #MulheresNoTrabalho que começou com a youtuber Maíra Medeiros, do canal "Nunca te pedi nada", onde incentivava as mulheres a falarem sobre situações que já sofrerem no trabalho por simplesmente serem mulheres.

A partir desse movimento conseguimos ver que, primeiro não estamos sozinhas nessas situações e, segundo tomamos consciência do que muitas mulheres passam no dia a dia.

Só quem é mulher e precisa do emprego para viver sabe como é difícil ter que aguentar assédios morais, piadinhas, assédios sexuais, ser diminuída, receber menos, entre outras coisas.

No mundo ideal toda vez que uma mulher sofresse isso ela ia subir na mesa do chefe, chutar tudo e mandar um belo de um "EU ME DEMITO DESSA MERDA", mas nós sabemos que os boletos no final do mês não se pagam sozinhos e que na prática ter coragem para enfrentar tudo isso é muito difícil. 

Separamos uma lista de coisas que mulheres sofrem diariamente no trabalho para conscientizar e também para você, amigo homem, comprar a briga e falar "hoje não Faro" toda vez que ouvir alguma dessas asneiras:

1. Colocar culpa na TPM/ Falta de sexo, toda vez que uma mulher está em uma situação de tensão:

Mulheres em geral, tem famas de “histérica” (é aquela historia né mores, fala isso quem nunca viu hétero bêbado inconveniente, hetero levando fora, hetero vendo o time de futebol perder, etc), mas é muito comum no ambiente de trabalho, ouvir frases como

*Cliente começa dar problema* 

"Ixiii deve ta de TPM"

*Chefe começa cobrar prazos absurdos*

"Deve ser aquela época do mês"

*O trabalho fica travado porque alguém não fez a sua função direito”

"Ai óh a mau comida"

GENTE PARA! Se toda mulher que não fosse "comida" direito ficasse de mau humor, pode ter certeza que a quantidade de mulher com cara amarrada na rua ia ser alarmante!

2. Perguntas inconvenientes para mães.

Se você é mãe, vai saber que a tensão começa no momento de preencher uma ficha para uma vaga, na hora de colocar: Tem filhos? ( ) sim  ou  ( )  não.

Embora seja PROIBIDO (ouviu dona empresas?) perguntar se tem filhos, os RH’s e agências vão mais longe, com perguntas como: (eu posso falar com propriedade pois já ouvi cada uma dessas perguntas em entrevistas)

Você tem filhos?

Quantos anos?

Onde ele fica durante o tempo que você está na empresa?

O seu filho é do seu relacionamento atual? (MINHA NOSSA SENHORA O QUE ISSO TEM A VER ATÉ HOJE ME PERGUNTO OUVIU CITYRH?)

Quem busca seu filho na escola?

Você pretende ter mais filhos nos próximos anos?

Em uma hora dessas dá a famosa vontade de responder atravessado "moço, você quer contratar eu o meu filho: Porque você está fazendo mais perguntas da rotina dele do que da minha qualificação profissional".

Isso é extremamente ofensivo para as mães! Já ouvi muita coisa para justificarem essas perguntas, como: "Ah, mas querem saber isso por padrão".

 Mas se é padrão porque sempre só perguntam para a mãe e não para o pai?

Sempre perguntam para a mãe se tem com quem deixar o filho, com medo da mãe ter que sair no meio do expediente ir buscar a criança, o que é engraçado é que nunca perguntam para o pai se a pensão dele está em dia. Sendo que, se a mãe ter que sair buscar o filho, em uma tarde ela resolve isso, agora se pai for preso por não pagar pensão, são no mínimo três meses sem o funcionário.

3. Maquiagem como uniforme.

Simplesmente é assédio e ponto final, se você acha que naturalmente (sem adornos e maquiagem) nós não conseguimos fazer o trabalho de maneira efetiva, então quer dizer que você acha que devemos usar artifícios para nos vendermos como produto e isso é um absurdo!

4. Duvidar da capacidade apenas por ser mulher.

Isso é muito comum em áreas que são predominantemente de atuação masculina, onde eles preferem validar toda informação com alguém do sexo masculino, sendo que tem uma mulher logo ai na sua frente para te atender.

Já ouvi casos de em feiras de produtos de engenharia, onde uma conhecida era ignorada e ao inves de falarem com ela iam falar com o único homem do Stand que respondia "eu sou de Marketing, a engenheira é ela", mesmo com ela estando com um crachá do tamanho de uma folha A4 escrito - "ENGENHARIA - VENDAS TÉCNICAS"

5. E claro…. O assédio nosso de cada dia!

"Como você está bonita ein>"

"Olha que gostosa a estagiária nova."

"Vai entrar funcionaria nova, é bonita?"

"A fulana é muito gostosa, você já viu a bunda?"

"Ah dormiu com o chefe né."

"Você ia ficar mais bonita se sorrisse."

"Pena que é casada."

Já deu para entender né?

Videozinho da Maíra Medeiros para entender um pouquinho melhor:


É isso ai mores, vamos olhar ao redor e sair da nossa zona de conforto, e perceber que enquanto no exterior as mulheres estão lutando para ganhar salários iguais, aqui no Brasil a gente ainda ta lutando para conseguir entrar no mercado de trabalho de maneira justa.