20 de out de 2017

Mãe também é gente!


Uma das inúmeras coisas que se descobre depois da maternidade é a anulação da mãe como mulher/pessoa com desejos, aspirações, medos próprios.

- Queria voltar pra faculdade...
AAAAAH NÃO. AGORA VOCÊ TEM QUE FICAR COM A CRIANÇA!

- Que vontade de tomar um chopp...
AAAAAAAAH TÁ LOUCA? DESDE QUANDO MÃE TEM TEMPO PRA TER VONTADE DESSAS COISAS? VAI LÁ TROCAR UMA FRALDA!

- Voltei a ter crises de ansiedade...
AAAAAAH MAS VOCÊ NÃO PODE SE DAR AO LUXO DE FICAR DOENTE. COM CRIANÇA PEQUENA E ARRUMA TEMPO PRA ESSAS FRESCURAS!

De acordo com a sociedade, mãe não bebe, mãe não transa, mãe não precisa tirar meia hora pra lavar o cabelo ou cinco minutos pra escovar os dentes. Mas também onde já se viu? Pariu? Agora tem que aguentar!

E infelizmente a pressão com relação à exclusão do individual da mãe nos é enfiada goela abaixo com tanta frequência que muitas vezes, ao menor sinal de "vontade pessoal" uma avalanche de culpa nos esmaga.

Mas é aquela coisa, acabar com esse tipo de pensamento é um exercício diário. Então repitam o mantra comigo: MÃE TAMBÉM É GENTE!