27 de jul de 2017

Circadélica | Potência Feminina


Festival com um line-up com muitas minas em diversos espaços e claro, com diversos shows com a presença empoderadora das minas da cena.

E já no warn up, tivemos o prazer de ouvir In Venus, banda que vem crescendo na cena e que traz letras reflexivas e que falam sobre o empedramento feminino.

As meninas da banda estavam impecáveis e a sintonia entre elas era tocante, cada riff, cada musica trazia uma energia única e que mostrou o quanto o Circadélica veio sim para trazer a diversidade e nesse ponto, a potência feminina.

Para encerrar o evento, veio Carne Doce, banda de Goiânia que traz letras de amor, insegurança, inquietação com a vida e sobre machos e sua posição na vida de muitas mulheres. 

No festa de abertura, contamos com a presença de Mahmundi e seu som experimental que eleva o coração, pois sua delicadeza ao falar e sua espontaneidade no palco fez o começo do Festival ser impecável, além de surpreender a todos, quando ela desceu ao palco para dançar com todos na música "Calor do Amor". 

Na sexta-feira, veio The Shorts, banda alternativa de Sorocaba que vem expandindo a cada momento e que tem como grande idealizadora a vocalista Natasha Durski, além da banda Her de Sorocaba que sempre traz apresentações instigantes e a presença encantadora de Flávia de Oliveira. 

Ao começar o primeiro do Festival, já tivemos The Biggs, banda também da nossa cidade rasgada, que vem levando seu som a diversos lugares e que chegou também a esse festival com a presença engajadora e empoderada de Flavia Biggs e Mayra Biggs e nesse mesmo dia, tivemos Vespas Mandarinas com Michele Cordeiro apavorando a cada nota e tendo uma energia empolgante. 


Para encerrar esse cenário empoderar de minas no role, ainda tivemos o prazer de ver Far From Alaska, com Emily Barreto no vocal e Cris Botarelli dando a magia do show com seu sintetizador e carisma e que ainda deram a letra de que o Circadélica já é sim um dos grandes festivais do Brasil. 


No domingo, tivemos Walkstones, banda alternativa também da nossa cidade amarela e que vem crescendo cada vez, ainda mais após fechar com o selo PWR Records e que lançou recentemente seu novo álbum Youths in Brief e que tem a deliciosa voz de Tifany Rosa para trazer ainda mais poder feminino nesse festival. 

Domingo foi um dia incrivelmente cheio de minas em praticamente todos os palcos, pois teve Rimas e Melodias, mulheres do rap trazendo a letra empoderadora e a delícia de ser o que se é, a cada batida, era possível que ninguém ficava parado. 

Além de Rimas e Melodias, veio Plutão já foi Planeta, banda que também tem minas no som, levando amor em cada nota e a presença divertida e apaixonante de Natália Noronha e de Vitória de Santi no baixo. 



Ainda tivemos Medrar, banda também de Sorocaba que traz o encanto e a potência de Mya Machado, uma mina que me encantada a cada show, por sempre trazer seu recado para as minas do role, além de sempre incentivar que mais e mais minas entrem na cena e tenham seu lugar. 


Para o evento continuar ainda mais impecável de mulheres, teve BRVNKS, banda de Goiânia que chegou a nossa Sorocaba, com a delicadeza e presença inspiradora de Bruna Guimarães no vocal. 
Ainda tivemos Lava Divers, banda que está sempre no corre pra trazer algo impecável como foi novamente nesse show no Circadélica, além de ter a baterista Ana Zumpano que já considera Sorocaba, a cidade das minas e da representatividade.

"A cena da mulheres está crescendo muito, porque o feminismo e o empoderamento chegou numa discussão e cada vez mais estamos educando e se educando de que não existe a separação e que vamos continuar ocupando esse espaço que é nosso também.", comentou a baterista Ana Zumpano.
O festival também teve Paula Cavalciuk, que viajou para todo o nordeste e retornou a nós com sua dança contagiante e seu estilo inquieto ao nos conquistar com as suas músicas.

No palco principal, também veio Francisco El Hombre, banda que também tem mina no vocal, sendo a maravilhosa Juliana Strassacapa e que durante a apresentação da musica "Triste, Louca ou Má" trouxe Paula Cavalciuk e Tássia Reis para cantar com ela, sendo um dos ápices do festival e para encerrar o festival, ainda veio Supercombo com a baixista e vocalista Carol Navarro. 



Circadelica, entrou definitivamente no mapa dos grandes festivais alternativos do Brasil e ainda para essa segunda edição que veio após 16 anos, trouxe uma estrutura que falou com todos os estilos musicais e principalmente com as mulheres, por não falhar na representatividade.