18 de out de 2018

Febre 2018 | Produção Musical, Trilha Sonora para Games ou Gestão de Carreira na Música?


Após a abertura do festival que contou com Arnaldo Antunes e Luê, o segundo dia do Febre Festival e Conferência de Música de Sorocaba contará com 3 workshops que atenderão diferentes expectativas do público. Confira abaixo como participar de cada um deles.

Workshop: "Is this it?" Produção musical com Gordon Raphael
@SESC Sorocaba
Horário: 19h
GRÁTIS (retirar ingressos com 1 hora de antecedência)
30 VAGAS

Workshop: "Gestão de carreira na música com Bóia Fria Produções"
@SESC Sorocaba
Horário: 20:30
GRÁTIS (retirar ingressos com 1 hora de antecedência)
30 VAGAS

Workshop: "Trilha sonora para games"
@SESC Sorocaba
Horário: 20h30
GRÁTIS (retirar ingressos com 1 hora de antecedência)
30 VAGAS

Você pode conferir a programação diária do festival pelo blog do Caneca ou então acessar o cronograma completo do evento clicando aqui. Nos vemos lá! 

Texto: Jenifer Romero
Imagem: Divulgação (Daniel Bruson)

17 de out de 2018

Onde está a Segunda: uma análise política

Longa da Netflix conta a história de sete irmãs que vivem reclusas por pressões governamentais


O ano é 2073. A Terra passou por um ‘boom’ populacional, apresentando uma escassez alimentícia. Desesperados, os cientistas começam a trabalhar em tratamentos genéticos para que o cultivo de alimentos seja mais rápido. Porém, como efeito colateral, o consumo desses alimentos fez com que as gestações de múltiplos aumentassem consideravelmente. Com isso, o fim é certo.

Pensando em uma maneira de retardar esse processo, a senadora Nicolette Cayman, interpretada por Glenn Close, implementa a ‘Lei de Alocação Infantil’, que funciona como ‘política do filho único’. As famílias têm direito a ter somente um filho, e os outros devem ser entregues a Agência de Segurança, responsável por colocar essas crianças em sono criogênico. Mas, para que essa política seja seguida, os cidadãos perdem parcialmente seu direito de ir e vir, já que precisam andar com braceletes conectados a uma rede que averigua se são filhos únicos, além de localizadores.

Com tudo isso, chegamos em Terrence Settman (Willem Dafoe), um homem que acabou de perder sua filha que deu à luz a sete meninas. Desnorteado e não confiando no sistema político, ele decide criar as meninas clandestinamente. Seus nomes são Monday, Tuesday, Wednesday, Thursday, Friday, Saturday e Sunday.

Trinta anos depois, as moças, interpretadas pela atriz sueca Noomi Rapace, assumem a identidade de sua mãe falecida, Karen Settman, e cada uma saí para o mundo exterior no dia que leva seu nome. O avô, durante os treinamentos ao longo da vida, afirma que elas devem sempre negar a existência de suas irmãs e que nunca podem sair juntas. Dentro do pequeno apartamento, cada uma assume sua verdadeira identidade, mas um dia na semana, as mulheres assumem a ‘máscara’ de Karen.


Monday (Segunda) é uma mulher mais voltada a vida profissional e, como irmã mais velha, sempre precisou ser exemplo para as outras. Tuesday (Terça) é mais good vibes, é preocupada com as irmãs e prefere relaxar com sua marijuana. Wednesday (Quarta) é mais esportiva e agressiva. Sem papas na língua, ela age quase sempre por impulso. Thursday (Quinta) não se conforma com o regime repressivo em que vivem. Para ela, a experiência que vivem no mundo exterior não é autêntica, já que assumem a identidade de outra pessoa. Friday (Sexta) é a mais quieta e nerd. Frágil, a mulher poucas vezes aparece em conflitos com suas irmãs. Saturday (Sábado) é a típica patricinha. Anda sempre de rosa e não gosta muito de pensar sobre como vivem. Para Sábado, as coisas são como devem ser. E, por último, Sunday (Domingo), que é mais reservada, maternal e espirituosa; sempre que a vemos, está preocupada com as irmãs e/ou cuidando delas.

A trama principal se dá, como o título indica, sobre o desaparecimento de Monday, que leva a uma série de outras coisas para encontrá-la.

UMA ANÁLISE – O regime em que vivem é ditatorial. E então, no momento político em que vivemos, é muito importante frisar em que consiste uma ditadura. De acordo com o dicionário Michaelis, ditadura é “governo autoritário, unipessoal ou colegiado, caracterizado pela tomada do poder político, com o apoio das Forças Armadas, em desrespeito às leis em vigor, com a consequente subordinação dos órgãos legislativos e judiciários, a suspensão das eleições e do estado de direito, com medidas controladoras da liberdade individual, repressão da livre expressão, censura da imprensa e ausência de regras transparentes em relação ao processo de sucessão governamental”.

O filme é composto de diversas metáforas, como, por exemplo, a diferença de personalidade que elas expressam dentro de casa. A liberdade de expressão em um regime ditatorial é reduzida a nada; exceto se você tem a opinião dos governantes. A personagem de Thursday é claramente parte de algumas minorias e, sentindo-se incomoda, é a mais militante dentro de toda a história. Elas manifestam-se criativamente e fisicamente em quatro paredes, mas, no mundo exterior, assumem as opiniões do governo. Ditaduras não querem saber opinião de grupos contrários, ditaduras matam e torturam grupos contrários.


Esse filme, embora tenha entrado na lista dos meus filmes favoritos, nunca me passou pela cabeça resenha-lo, mas, graças a sangrenta corrida presidencial e aos pedidos de intervenção militar e as declarações absurdas, percebi que é importante falar sobre isso, falar sobre regimes repressivos. Claro que o motivo apresentado pelo filme é muito diferente do que aconteceu no Brasil em 1º de abril de 1964; não tivemos um ‘boom’ populacional, mas o sistema quase sempre funciona da mesma maneira, em 1964, em 2073 ou em 2019. É preocupante!

O filme é de 2017, dirigido por Tommy Wirkola e conta, como cereja do bolo, com a atuação de Noomi Rapace, que se tornou uma das minhas atrizes favoritas e, em oito mulheres distintas, consegue te conquistar em 2 horas de filme. Vale a pena conferir!

Texto: Lauren Olivieiro
Fotos: Divulgação/Reprodução

16 de out de 2018

Projeto Visionar tem exposição na PUPA


O Projeto Visionar, criado pelo Coletivo Caneca, aconteceu em agosto deste ano realizou uma exposição neste último domingo, na PUPA. O evento que durou parte da tarde e foi até às 20h foi composto pelos produtos dos alunos que participaram da oficina fotográfica com temática LGBT.

Além da exposição, rolou uma roda de conversa com os participantes das aulas e também com Ligia Alipio, Bruna Pregnolatto, Caike Molina e Ana Rei, que foram os 4 orientadores do workshop realizado no Maloca.

Expositores: Carol Fernandes, Irina Rodrigues, Julay Merlo, Kayan Viana, Lorenzo Bortolino e Monique Nunes.


Texto: Rodrigo Honorato
Imagem: Paulo Falcadi

4 de out de 2018

Outubro Rosa: Homens e mulheres trans também precisam se prevenir

Todo ano, no mês de Outubro, o câncer de mama vira foco das atenções. Mas isso não se trata de uma luta exclusiva da população feminina..

Imagem: Internet


O termo “câncer de mama” está quase sempre ligado a figura feminina, mas não é uma doença que afeta somente mulheres. Homens também podem ser acometidos pela neoplasia e correspondem a 1% do total de diagnósticos. Além dos cisgêneros, as pessoas trans também devem se atentar à doença.

O câncer de mama em pessoas trans foi tema da 48ª Jornada Paulista de Radiologia em São Paulo em Maio de 2018. Um dos coordenadores científicos e palestrante do evento Dr. Luciano Chala explicou sobre a necessidade de se analisar separadamente homens e mulheres trans em relação à prevalência do câncer de mama. “Mulheres trans passam por terapia hormonal para obtenção da mama com aspecto feminino. O uso de hormônio instiga um questionamento sobre eventual aumento do risco de câncer de mama – o regime conduz ao desenvolvimento de um tecido mamário com ductos e ácinos idênticos ao da mama biologicamente feminina", explica o especialista.

Vale lembrar que as mulheres trans em terapia hormonal com desenvolvimento de tecido mamário, ou que tenham colocado prótese mamária, devem buscar orientação profissional. Já para os homens trans, há uma redução do risco de câncer de mama, uma vez que o tórax com aspecto masculino é obtido através da mastectomia subcutânea. Entretanto, eles devem estar atentos porque isso não se torna um sinônimo de não desenvolvimento de células cancerígenas, mostrando mais uma vez a importância do autoexame periódico.

Para homens trans optantes por não retirar a mama, a recomendação é igual ao indicado às mulheres cis: Autoexame desde os 15 anos e mamografia anual a partir dos 40 anos. Os que retiraram os seios precisam ficar alertas e, caso um nódulo apareça, procurar atendimento médico.

Hoje, a maior barreira para a detecção da doença está na falta de informação, pesquisas e suporte que a população trans enfrenta. Como a maioria dxs trans não sabe sobre a chance de ter câncer de mama, grande parte dos casos é diagnosticada tardiamente, fazendo com que este assunto seja discutido de uma forma mais ampla de como é atualmente.


Texto por Alessandra Yumi

2 de out de 2018

#ElesNão


Nosso atual cenário político nos mostra no mínimo uma coisa de maneira explicita: dentro do armário, tinham mais fascistas do que qualquer uma das siglas da comunidade LGBT. E bastou que uma figura fosse a público com suas opiniões medievais, para que essas pessoas saíssem de seus esconderijos mais íntimos e se sentissem confortáveis o suficiente para acender suas fogueiras no fundo do quintal e se armarem para a próxima inquisição, tudo isso sob a lei irrefutável da família tradicional, do homem de bem e seus bons costumes. 
Porém, são em momentos como esse que percebemos uma forte união de forças entre os grupos marginalizados – grupos esses que são mais afetados quando aparecem porta-vozes do conservadorismo e da violência - onde, tanto nas ruas quanto no âmbito digital, se mobilizam perante essa forte ameaça.
Pegamos o caso da mais atual e notória hashtag, #EleNão, onde principalmente as mulheres, verbalizaram seu repúdio para com um candidato que apresenta uma ameaça direta para nós, candidato esse que, além de sua inconsistência como presidenciável, apresenta um retrocesso, um atraso social. Entretanto, mesmo Bolsonaro sendo a cara desse movimento, ele não está sozinho, e, além de combatermos este candidato nas urnas, devemos combate-lo nas ruas, combater seu plano de governo, o que ele representa e o que despertou, resgatar o debate que nasceu e morreu na época do golpe referente a onda de conservadorismo que atingiu nosso país.
Se esse candidato conseguiu se fortalecer o suficiente para provavelmente disputar um segundo turno das eleições, é sinal que ele se fortaleceu o suficiente no Brasil, mobilizou um grande número de pessoas para o seu projeto. Devemos também nos atentar para o fato de que esses eleitores estão se mobilizando para eleger seus senadores, deputados estaduais e federais e seus governadores, e além das urnas, esses planos estarão em nossa sociedade.
Devemos combater o ódio com a politização, entender que sim, as pessoas contempladas pela opinião de Jair Bolsonaro, seus filhos, General Mourão e toda sua corja e ideologia, em sua grande parte são machistas, racistas, LGBTfóbicos, mas há também os que veem no Bolsonaro um voto de protesto, um candidato anti sistêmico. Cabe a nós ampliarmos nossas discussões políticas, repolitizar nossa atual conjuntura e entendermos que o “fenômeno bolsanariano” é maior que apenas sua figura.



Texto por Vivian Piloto
Arte por José Augusto [Kiko]

27 de set de 2018

Desmonte: Temporada 2019 | Inscrições abertas para projeto do Caneca com Drags do interior paulista


O Coletivo Caneca abre oficialmente as inscrições da segunda temporada do Desmonte.

O projeto, que revelou nomes como Ágata Mitch, Marvena e TheMônia Thevil, tem o intuito de alavancar e mostrar mais sobre a carreira de Drag do interior paulista.

O Coletivo Caneca já anunciou 7 nomes dos 10 que irão compor o time da segunda temporada, são elas: Ariel La Freaky, Barbarella, Katrina Shaskya, Lolla Seway, M. Parda, Mary Jane Holland e Tarragx. Dessa maneira, 3 drags serão escolhidas através das inscrições, clicando aqui.

A nova temporada "Desmonte" estreia em 2019, com a gravação de um documentário, exposição de fotos e eventos diversos que falarão sobre a cultura Drag.

As inscrições estarão disponíveis até o 20 de outubro.

Por José Augusto.

25 de set de 2018

Confira a programação completa do Febre 2018


Foi divulgado hoje (25) o cronograma da edição de 2018 do Febre Festival e Conferência de Música de Sorocaba. Confira abaixo a programação completa, e caso você ainda não adquiriu o seu ingresso.. clica aqui que ainda da tempo!

17/10 | Quarta-Feira


"Do Asteroid ao Lollapalooza" Minicurso de fotografia palco com Fabricio Vianna
@SESC Sorocaba
17, 18 e 19 de Outubro às 10h
Inscrições: A partir do dia 08 de Outubro
GRATUITO
15 VAGAS

Fala de abertura: Arnaldo Antunes
@SESC Sorocaba
Horário: 19h
GRÁTIS (retirar ingresso com 1 hora de antecedência)
    
@PALCO SESC
Luê
Horário: 20h
GRATUITO
    
18/10 | Quinta-Feira 


Workshop: "Is this it? Produção musical com Gordon Raphael"
@SESC Sorocaba
Horário: 19h
GRÁTIS (retirar ingressos com 1 hora de antecedência)
30 VAGAS

Workshop: "Gestão de carreira na música com Bóia Fria Produções"
@SESC Sorocaba
Horário: 20:30
GRÁTIS (retirar ingressos com 1 hora de antecedência)
30 VAGAS

Workshop: "Trilha sonora para games"
@SESC Sorocaba
Horário: 20h30
GRÁTIS (retirar ingressos com 1 hora de antecedência)
30 VAGAS

19/10 | Sexta-Feira


Painel: "Criador e criatura" com Juliana Strassacapa e Pereira
@SESC Sorocaba
Horário: 14h
GRÁTIS (retirar ingressos com 1 hora de antecedência)
70 VAGAS

Painel: "O que a Economia Criativa tem a ver com a música" com Ana Carla Fonseca
@SESC Sorocaba
Horário: 16h
GRÁTIS (retirar ingressos com 1 hora de antecedência)
70 VAGAS

@PALCO MOFO
Colúvio - 18h
Maurício Pereira - 19h

@Palco Asteroid
Marrakesh - 21h
Hateen - 22h

@Palco Recreativo Central
Banda da Feira - 00h
Francisco, el Hombre - 01h

20/10 | Sábado


"Caixinha de Música" com Sofar Sounds
@SESC Sorocaba
Horário: 10h30
Inscrições de artistas para gravação de material audiovisual a partir das 10h
GRATUITO
20 VAGAS

"Feira de arte contemporânea: Transeuntes na Necropolítica"
@SESC Sorocaba
Horário: 14h
Curadoria de Ella Vieira e Lúcia Justo
GRATUITO

Painel: "A urgência de música negra" com Dani Nega e Lorrayne Fontenele
@SESC Sorocaba
Horário: 14h
GRATUITO 
70 VAGAS 

Painel: "Gestão de espaços alternativos" com Inti Queiroz e Paulo Papaleo
@SESC Sorocaba
Horário: 16h
GRATUITO (retirada de ingressos com 1 hora de antecedência) 
70 VAGAS

@Palco Suburban (entrada com passaporte Febre ou ingresso de sábado)
SixKicks - 18h
Katana - 19h

@Palco Asteroid (entrada com passaporte Febre ou ingresso de sábado)
Gordon Raphael and the Wild Cards - 21h
Pessoas Estranhas - 22h

@Palco Recreativo Central (entrada com passaporte Febre ou ingresso de sábado)
Melanina MCs - 00h
Curumin - 01h

21/10 | Domingo


@Palco Pré-Amp
Paramethrik - 13h
Tamara MC e Deds D - 13h40
Os Pontas - 14h20
Bit Beat Bite Bright - 15h
Suprema Corte - 15h40

@SESC Sorocaba
Horário: 13h
GRÁTIS

@Palco Music House (entrada com passaporte Febre ou ingresso de domingo)
Sarabatana - 15h
Luzia - 16h
La Carne - 17h
Entrada com Passaporte Febre, Ingresso do Domingo

@Palco SESC (entrada com passaporte Febre, ingresso de domingo ou compra direta no SESC)
X da Questão - 18h
Rincon Sapiência - 19h (ingressos estarão a venda direto no SESC Sorocaba por um preço mais barato que o ingresso diário)

@Palco Saravá (entrada com passaporte Febre ou ingresso de domingo)
Tuvo - 21h
Anelis Assumpção - 22h
    

Texto por Rodrigo Honorato
Imagens: Divulgação


21 de set de 2018

As 5 personagens para celebrar no mês da visibilidade bi!



Em um mundo de padrões monossexuais, normativamente heterossexuais, a bissexualidade é amplamente banalizada. Quantas vezes nós, o grupo B, somos questionados sobre nossas preferências ou reduzidos ao padrão afetivo de nosso relacionamento atual: se namoramos com pessoas de nossa mesma identidade de gênero somos gays ou lésbicas e se namoramos com pessoas do gênero oposto automaticamente “nos tornamos” heterossexuais, quantos de nós escutamos que se podemos “escolher” com quem nos relacionar porque mesmo não escolhemos ser hetero, por exemplo.

Esses são só alguns exemplos de situações que destacam o porquê a visibilidade bi é de extrema importância para a comunidade LGBT.

A bifobia está presente em nossas vidas vindo tanto de fora quanto de dentro da comunidade e já está na hora dela ser debatida e superada! Para comemorar o mês de setembro, mês da visibilidade bissexual, o blog do Caneca separou algumas mulheres bi da literatura, cinema e TV para que serem lembradas e celebradas:


Lisbeth Salander
Internet/Divulgação


A protagonista da série Millennium, escrita por Stieg Larsson, conquistou grande carinho dos fãs por seu misto de vulnerabilidade e força, misantropia, inteligência e forte teor feminista a investigadora particular foi interpretada por Rooney Mara na adaptação estadunidense dos livros suecos se tornando o maior crush bi que você respeita.


Petra Solano
Internet/Divulgação

[ALERTA SPOILER]
Se você ainda está no começo de Jane the Virgin provavelmente conhece Petra como a fria vilã que tenta de todas as maneiras conseguir reconquistar seu ex-marido, Rafael. Mas logo essa mulher aparentemente indestrutível nos mostra uma face muito mais independente e humana chegando a se envolver com sua advogada na 4ª temporada da série.

Korra
Internet/Divulgação

O principal cenário romântico do spin off de A lenda de Aang é o triangulo amoroso entre Korra, Mako e Asami, certo? Errado! O Season Finale surpreendente  da animação A Lenda de Korra mostra um novo casal que conquistou fortemente o coração de seus fãs LGBTs.

Annalise Keating
Internet/Divulgação


A protagonisya de How To Get Away With A Murder é nada mais nada menos que uma mulher independente, negra e bissexual ocupando espaço de liderança e professora universitária, representando muito bem a comunidade B ao nos cativar com uma sexualidade livre e não estereotipada.

Delphine 
Internet/Divulgação

Delphine é uma cientista francesa, estudante de imunologia e pesquisadora do instituto Dyad que forma romantico com Cosima. Personagem favorita entre telespectorxs LGBTs da série, nos deixa cheixs de sentimentos conflituosos entre amor e ódio enquanto torcemos pelo sucesso do casal.


Tenho certeza que você também conhece muitos personagens bissexuais que merecem visibilidade nesse mês tão importante, que tal deixar um comentário compartilhando com a gente os nomes que você incluiria nessa lista?

Texto por Jenifer Romero
Foto por Internet/Divulgação

19 de set de 2018

Anitta se envolve em polêmica após afirmar que não irá se posicionar politicamente



No decorrer desta semana, a hashtag #EleNão, direcionada ao candidato Jair Bolsonaro, do PSL, tomou força nas redes sociais e, com isso, várias celebridades como: Pitty, Deborah Secco, Bruna Marquezine e até mesmo Rachel Sheherazade aderiram a campanha. 

No entanto, a cantora Anitta optou pelo silêncio em relação a sua posição política e, com isso, não demorou muito para que os seus fãs a cobrassem por um posicionamento. Anitta então, utilizou o twitter nesta quarta-feira (19), para se esclarecer, dizendo que “é um direito meu não querer opinar sobre política e eu só estou exercendo esse direito”. 

Os fãs se mostraram intensamente decepcionados com a atitude da cantora, porém, o ápice de toda essa discussão se deve ao fato de que Anitta havia seguido uma conta em seu instagram, declarada abertamente a favor ao candidato Jair Bolsonaro.

O seu público, composto majoritariamente pela comunidade LGBTQ+, resolveu se manifestar negativamente em relação a atitude da cantora, visto que Bolsonaro é declaradamente contra a comunidade e está constantemente envolvido em polêmicas no que diz respeito a esta.

Em seguida, a cantora declarou: “Eu não segui um perfil em apoio à nenhum candidato. Segui um perfil de uma amiga de 8 anos que finalmente consegui reencontrar e se ela escolheu expor seu voto é um problema dela”.

Mais tarde, Anitta ainda afirmou fazer parte da comunidade LGBTQ+, ao publicar: “é totalmente incoerente dizer que eu apoio a morte à comunidade LGBTQ+ quando eu faço parte dela. Estaria apoiando minha própria morte”. 

Até o momento, os fãs da cantora encontram-se divididos em relação as suas recém atitudes.


Texto por Bruna Moraes
Foto por Reprodução/Instagram

5 de set de 2018

Caneca Baile Queer agita Maloca Centro Criativo



Para dar ainda mais peso na programação do Caneca Pride, no último sábado o Caneca Sorocaba organizou no Maloca Centro Criativo o primeiro Baile Queer, festa totalmente dedicada para quem não tem medo de se esconder.
Junto ao coletivo, a drag Marvena assinou a festa e comprou total a ideia. O evento contou com performances de Úrsula Further e Ariel La Freaky enquanto discotecagem ficou por conta de Ana Laura e Marvena.

A atração mais que especial da noite ficou por conta de nada mais nada menos que Guihgo e Tchelo do Quebrada Queer. Xs meninxs se apresentaram durante a festa com hits solos e também do Quebrada.


Já em primeira mão adiantamos que nós, do Caneca, batemos um papo bem legal com elxs e logo logo tem material exclusivo chegando! A parceria foi forte assim como o rolê!

Texto por Rodrigo Cardoso
Fotos por Paulo Falcadi

3 de set de 2018

Encontro de resistência: Feira do Brejo tem proposta única na região


Um ambiente leve, colorido, repleto de manifestações artísticas e com seu lado político, de resistência e visibilidade. Esse foi o cenário que transbordou a casa PUPA. A “Feira do Brejo” foi realizada no último dia 24, que deu início à agenda Caneca Pride, programação especial dedicado à parada LGBT de Sorocaba. E nada mais justo que marcarmos esse início com um role totalmente focado no publico lésbico aproveitando que Agosto é o mês da visibilidade lésbica.
Com o intuito de dar espaço para que mulheres pudessem expor seus trabalhos, a feira abrangeu as mais variadas frentes indo de fotografias com Bruna Pregnolatto, flash tattoos com Manu Darian, passando por roupas do brechó Casca de Bétula e da marca Chica's T Shirts, até ilustrações feitas por artistas como Gabrielle Corrêa, Alarme Feminista, Espaço de Marte e muito mais. O evento também contou com som ao vivo com a Allana Rodrigues além da presença da galera do Girls Rock Camp.
Em conversa com Luana Salum, uma das criadoras e organizadoras da Feira do brejo, ela comenta ter focado bastante na importância de um evento cultural desses, que teve sucesso graças a ajuda tanto das meninas quanto do dono do PUPA, “Quando se fala de LGBT, sapatão sempre é meio esquecida, então eu achei uma ideia massa começar com a gente. É o nosso mês”. Salum falou também que pretende dar continuidade à feira, trazendo edições diferentes e cada vez maiores.

Texto por Vivian Piloto


30 de ago de 2018

Super Drags se torna alvo de crítica e Netflix rebate

Vedete Champagne, personagem dublada por Silvetty Montilla
Abrindo cada vez mais espaços para cartazes que colocam protagonistas pertencentes a grupos de minorias, a Netflix anunciou seu próximo lançamento: uma animação brasileira com dragqueens, produzida pelo Combo Estúdio.

Durante o teaser podemos ver 3 personagens passando por uma transformação, mudando inclusive vestimentas e o título da produção no final. Confira:


A animação será baseada em 3 funcionários de uma loja de departamentos e que aguentam um chefe totalmente "escroto". Já a noite, necas são aquendadas para salvar o mundo da maldade e da caretice.

Apenas com o teaser muita gente se incomodou, inclusive a Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) que lançou uma nota de repúdio solicitando que o lançamento de Super Drags fosse cancelado, por considerar o conteúdo prejudicial ao público infantil. Esta questão foi levantada porque a SBP alega os perigos de utilizar uma linguagem naturalmente considerada infantil para dialogar temas destinados ao público adulto.

CLASSIFICAÇÃO INDICATIVA

Em decorrência de tanta polêmica com o lançamento de Super Drags, a Netlflix se posicionou através de um vídeo, tendo "Vedete Champagne", dublada pela drag queen brasileira Silvetty Montilla. No vídeo, a personagem deixa bem claro que a classificação indicativa é de 16 anos, fazendo com que a produção não entre no catálogo kids da plataforma de streaming por conter cenas com inadequações intensas como: violência, sexo ou nudez e drogas.


A data de lançamento ainda não foi anunciada.

Texto por Rodrigo Cardoso