24 de mai de 2018

Milkshake Festival | Pabllo Vittar, Gloria Groove e Lia Clarck são algumas das atrações de evento LGBT

Resultado de imagem para Milkshake Festival 2018



No sábado (02/jun), um dia antes da Parada LGBT de São Paulo, rola na Arena Anhembi a segunda edição do Milkshake Festival, evento voltado ao público LGBT.

DATA/HORÁRIO
Sábado
02 de junho de 2018 às 16h

LOCAL
Arena Anhembi
Av. Olavo Fontoura, 1209 - São Paulo, SP

ATRAÇÕES
O Milkshake esse ano conts com 5 espaços, cheias de atrações. Confira:



Live Stage

  • Pabllo Vittar
  • Wanessa Camargo
  • Gretchen
  • Volta do Balão Mágico
  • Preta Gil
  • Gloria Groove
  • Lia Clark

Supertoys Stage



  • Valentijn de Hingh
  • Midas Hutch
  • Felipe Venancio
  •  Zu Browka
  • Willie Wartaal
  • ABSOLUTE
  • Johnny Luxo
  • Larry Tee
  • Remon Lacroix
  • Marina Dias

Soul Stage
O evento contará com um trio elétrico com grandes atrações do R&B e Hip Hop.

Secret Stage
Uma balada secreta onde tudo pode acontecer.

Dragcon
Drag famosas, produtos, música boa e uma enorme passarela. O verdadeiro mundo das drags queen.


INGRESSOS
Arena - A partir de R$180
VIP (Open Bar e Open Food) - A partir de R$580

3 de mai de 2018

Circadélica | Jaloo, Mietâ, Flora Matos e outros artistas da porra no festival sorocabano


No dia 29/abr foi finalmente divulgado o line-up do festival mais amado de Sorocaba com diversas artistas que a gente tanto ama, o Circadélica.

No teaser divulgando, deu pra ver o quanto a curadoria procurou variar bastante e trazer artistas que já são referência e outros que estão começando, trazendo uma variedade de sons e de presença no palco.

No line-up desse ano vamos ter Tropkillaz EmicidaO Terno Flora Matos, VanguartFresnoJalooA Banda Mais Bonita da CidadeSelvagens à Procura de Lei, ZanderTagoreMenores AtosBaleiaZimbraJonnata Doll & Os Garotos Solventes, E a Terra Nunca me Pareceu Tão DistanteGorduratrans My Magical Glowing Lens Kill Moves BIKEHierofante PúrpuraDeb and The Mentals Miêta FONES Sky DownParamethrik Benziê Os Pontas.


Alguns desses artistas passaram pelo Asteroid e em outras casas de shows em Sorocaba e dessa vez, trazem seus novos trabalhos para a cidade rasgada, além de atrações que nunca tocaram por aqui, como o cantor Jaloo, que vem divulgar seu novo trabalho e esta em turnê desde o final do mês de abril.

Garanta seu ingresso e venha curtir o Circadélica, você não vai se arrepender! O festival acontece nos dias 28 de 29 de julho. [CONFIRME PRESENÇÃO NO EVENTO]




28 de abr de 2018

Batalha das Divas | Vire DJ por um dia, e batalhe por sua diva em nova festa do Caneca no Asteroid


Estão preparadxs pra festa mais diva de todas? Segura a peruca, arruma a make e vem com a gente! Em 1º de junho acontece a primeira edição da Batalha das Divas, no Asteroid Entretenimento.

O que é a Batalha das Divas? 

Serão 8 participantes tocando até três músicas da diva escolhida, o set mais votado avança até a final. E o prêmio? Uma catuaba pra curtir a noite!
Escolha sua diva: Gaga, Beyoncé, Anitta, Vittar, Swift, Katy, Ariana e Britney!

Como posso me inscrever?

Preencha o formulário para lutar por sua diva, os escolhidos serão anunciados na segunda-feira (21/05).



Não tá o suficente @? Tem mais!

Além de muito hino, vai ter também muitas atrações;  
#FIKATENTX: Ouviu a sirene? Corra pra ganhar um shot.
#VALESHOT: Ache vale pra shot escondidos pela casa!

QUIZ DAS DIVAS: Quem sabe mais da diva leva um shot!

MANXS UNIDAS: Adesivos na entrada do Asteroid, para todas as manas se unidas na batalha e na torcida!

E a discotecagem, vai ter?

Vai e muito! Luana Salum, Ágata Mitch e Tarragó vão tocar o melhor da realeza pop.

Dá-lhe: Beyoncé, Ariana Grande, Lady Gaga, Madonna, Katy Perry, Pabllo Vittar, Anitta, Karol Conká, Rihanna, Selena Gomez, Fifth Harmony, Shakira, Kesha, P!nk, Britney Spears, Miley Cyrus, Jennifer Lopez, Jessie J, Marina and the Diamonds, M.I.A., Lily Allen, Nicki Minaj, Charli XCX, Sia, Little Mix, Halsey, Fergie, Gwen Stefani, e muito mais.
 



Então não esquece, Batalha das Divas, dia 01 de Junho no Asteroid Entretenimento!

Mais informações, confirme presença no evento clicando aqui.

16 de abr de 2018

Bolsonaro NÃO é cidadão sorocabano!


Uma proposta do vereador Luis Santos (Pros), propõe a concessão do título de cidadão sorocabano ao deputado federal e pré-candidato à presidência da República Jair Bolsonaro (PSL-RJ). O deputado que é conhecido por posicionamentos contra negros, LGBT, mulheres e toda a minoria em geral.

O deputado nunca visitou a cidade de Sorocaba, nunca fez algum projeto que beneficiasse a cidade, possivelmente ele não sabe da existência tanto da cidade, tanto do vereador, autor do projeto. Os colegas de bancada de Luis Santos, tentaram impedi-lo, mas sem sucesso. O vereador se defendeu "Isso é uma democracia", no texto aonde defende o seu projeto ele diz que Bolsonaro é:

"Conhecido por suas posições em defesa da família, da soberania nacional, do direito à propriedade e dos valores sociais do trabalho e da livre iniciativa". Conhecido por defender qual família? A classe alta, branca, CIS, hétero e cristã. Os valores sociais de trabalho de qual população? Das minorias com toda certeza que não é!

Repudiamos Jair Bolsonaro, repudiamos o projeto do vereador Luis Santos, repudiamos tudo aquilo que vai contra as minorias. Bolsonaro não representa toda a população sorocabana, não representa a assembleia legislativa da cidade, não nos representa!

Após atos contra e pró a votação, o povo venceu. A pauta foi retirada do plenário até as eleições, com a pressão popular e movimentação estudantil, a assembleia do povo ouviu a cidade! Em uma sessão que precisou de reforço da polícia para escolta dos apoiadores do projeto, estes que eram meia dúzia, entre os manifestantes contrários.

Em mais uma tentativa de desviar o foco dos atuais problemas sociais na nossa cidade, o vereador se viu sem saída se não recuar quanto ao projeto. Sorocaba ainda sofre com o conservadorismo e ignorância por parte dos governantes locais, onde iniciativas populares sofrem repressões da prefeitura, o símbolo de preconceito e ignorância de outro estado recebe cidadania sorocabana.


Prazer, Pabllo Vittar! Confira a primeira chamada da série


No dia 1º de Maio às 21h00, o canal de TV Multishow, estreia a série "Prazer, Pabllo Vittar". Dividido em quatro episódios, o programa vai contar a história da drag queen que saiu de São Luís do Maranhão e obteve o reconhecimento nacional.

O programa vai retratar de forma bem humorada, a infância, construção da carreira, quem são os ídolos e ainda vai contar com a presença de alguns convidados especiais. Ela nunca vai deixar de ser quem ela é. Prazer, Pabllo Vittar! Confira:


Fábrica Festival | Mais um festivalzão da porra em Sorocaba



O Fábrica Festival é o mais novo festival que rola na cidade, está com um line-up muito diferente de outros festivais que vem rolando por aqui. Na primeira edição do temos a presença confirmada de Nenhum de Nós, Nação Zumbi, Plebe Rude e Frejat e ainda vamos ter atrações internacionais como a urugaia Snake, os norte americanos Information Society e a banda composta por integrantes do mundo todo, Playing for Change Band.

Porém ainda estamos na expectativa de outras atrações que ainda não confirmadas para esse line-up, mesmo sem ter definido toda a programação, começou recentemente a venda de ingressos promocionais pelo site do evento, os ingressos vão de R$180 a R$360. 
 
O Fábrica Festival acontece nos dias 01 e 02 de Dezembro, no espaço do Parque Tecnológico de Sorocaba, para dialogar ainda mais com o nome desse evento, serão 14 atrações no palco principal, mais a tenda eletrônica, camarotes, praça de alimentação e outras atividades ainda por confirmar.

Entre no link do site e saiba mais informações, porque é oficial, Sorocaba é a cidade dos festivalzão!

14 de abr de 2018

Quem matou Marielle? Um mês do assasinato


Se você não se indignar com o "assassinato" de uma mulher preta, a qual se encontra no nível mais baixo da pirâmide hierárquica social, acadêmica e política, eu te convido a ler todas as estatísticas que mostram a produção científica de mulheres no Brasil, e com isso tente procurar as produções feitas por mulheres pretas. Depois procure sobre a equidade de gênero nos ambientes de trabalho, e então tente procurar sobre mercado de trabalho para mulheres pretas.

Se você não se indignou com a morte de uma representante política negra, eu te convido a pesquisar sobre as discrepâncias raciais dos poderes políticos, e mais do que isso, buscar sobre o papel de representatividade e o quanto ela é um importante vetor de motivação.

Marielle Franco foi executada na Lapa, Rio de Janeiro, de forma covarde e brutal, com quatro tiros na cabeça. Essa interrupção de sua vida aconteceu logo após ter sido oficializado sua atuação na comissão que fiscalizará o respeito aos direitos humanos nas operações da, tão falada, intervenção militar no Rio.

A polícia obteve as imagens das câmeras de rua, que gravaram o ocorrido sobre o carro de Marielle, a qual estava acompanhada de seu motorista, Anderson Pedro Gomes, e sua acessora. Treze tiros foram disparados. QUATRO na cabeça da vereadora. A munição pertencia a um lote vendido, em 2006, para a Polícia Federal de Brasília. Os criminosos fugiram sem levar "nada"... A vida de uma mulher preta, periférica, que dizia publicamente que o 41° batalhão da PM é conhecido como Batalhão da Morte.

"CHEGA de esculachar a população! CHEGA de matarem nossos jovens", Marielle posta no Twitter um dia antes de sua execução: "Quantos mais terão que morrer para que essa guerra acabe?". Agora sou eu quem pergunto, QUANTOS TERÃO QUE MORRER???

Esse ataque não se restringe a todo movimento negro. Por mais que pra nós o luto se prolongará. Esse ataque, de cunho político, mostra cada vez mais as faces desse governo autocrático. Esse ataque teve um objetivo: o de silenciar. Não apenas o povo preto, mas a oposição a esse governo. Um ataque repressivo a oposição é um ataque a democracia. Não aquela procedimental, mas, sim, aquela substancial.

E se você não se indignou, que seja forte, pois tempos sombrios virão.

MARIELLE VIVE!

5 de abr de 2018

Profusão | Segunda edição!

A segunda edição do Profusão vem aí, o evento que busca trazer a união de estilos e gostos diferentes num só rolê! Criado e idealizado de jovens para jovens, a primeira edição contou com Fuzzy Fuzz, Una, Walkstones e Ananda Jacques! 

Inspirado em eventos como Febre, Circadélica e Lollapalooza, o Profusão abraça a causa de trazer cultura, consciência social e diversidade para cidade. A primeira edição foi um sucesso, vai ficar fora dessa?

Então se prepare que nesse próximo domingo (08/04), vem aí 3 atrações que vão agitar Sorocaba. Strawberry Licor, Alice Guél e Iníbia se apresentam no Complexo Mofo, além disso, contará com lanches, doces e drinks! Haverá também DJ e Flash Tattoo!

Conheça o som das atrações dessa edição:

Strawberry Licor: https://goo.gl/kgGVhu
Alice Guél: https://goo.gl/MVqKn2
Inibia: https://goo.gl/f2KVhY
 
A casa abre as portas às 15h e vai até as 21h!
Complexo Mofo - Rua Eugênio Rabelo, 74.
E a entrada por R$10, vai perder?




31 de mar de 2018

Circadélica 2018 | Vendas a cega já estão disponíveis!



O Circadélica, "Festival independente" como os organizadores auto denominaram, foi um sucesso no ano passado. O festival reuniu mais de sete mil pessoas de todo o Brasil e rolou de tudo por lá. Pedido de namoro, representatividade e é claro, muito amor!

Atrações como: Supercombo, Rimas e Melodias,  Franscisco El, Hombre, Paula Cavalciuk, Far From Alaska e muitas outras marcaram presença nesse role.

Nos dias 28 e 29 de julho acontece a edição desse ano! Eles estão preparando algo maravilhoso e vão fazer um role inesquecível. Você pode adquirir o seu ingresso por um preço massa nas vendas a cega, funciona da seguinte maneira:

Você adquire o passaporte para o evento, sem saber o Lineup por R$70,00, válido para os 2 dias na arena + eventos agregados em julho.

A venda é online e você pode adquirir através do Sympla. Quando sair o lineup, você vai comemorar por ter adquirido o ingresso por esse valor!

21 de mar de 2018

Projeto artístico une mulheres fotógrafas

No mês de Março, que tem o dia internacional da mulher, a gente vê em tudo quanto é lugar a pauta sobre a mulher e sobre a luta feminina para resistir. Seguindo essa ideia de resistência e dando mais visão ao autoconhecimento surgiu o projeto “Bem me quero, mal me quero”, idealizado pela fotografa Melissa Maurer que vive em Alto Paraíso de Goiás e que está com mais de 132 fotografas espalhadas pelo Brasil, além de ter fotografas na Argentina, Boston, Nova York, Espanha, Portugal, Índia e Austrália.

No dia 8 de março, Dia internacional da mulher, as redes sociais conhecerão um pouco das histórias de diversas mulheres através da fotografia e de cartas escritas por elas. Nessas cartas, cada mulher vai contar sobre como amadureceu, como aprendeu a se amar, além de trazer a força da mulher em toda a sua essência.

Sobre o Projeto: Quem nunca despetalou uma flor pensando no primeiro amor: “- Bem me quer, mal me quer?”, partindo dessa memória infantojuvenil e pensando em como ela formou nosso imaginário enquanto mulher, reinventamos a pergunta e o foco deste querer. Uma proposta de olhar para si, retirando calmamente cada pétala, mas com uma outra pergunta: Bem Me quero? Mal Me quero?

Agora, já não estamos pensando no querer do outro, mas em como a gente SE sente, percebe, trata, ama: bem quer. Experimente... SE observe em um espelho: Quem você vê? O que você sente? Olhe-se nos olhos... Você lembra da criança que foi? Quem é você agora? Como você se imagina daqui a uns anos? No momento em que nos despetalamos e olhamos para nossa alma: o que ficou no centro? O que contamos para nós mesmas, quantas mentiras nos dizemos, como nos empurramos para baixo?
Como nos desvalorizamos a cada dia, a cada desafio, nos cobramos, nos culpamos. Do que você sente medo? Do que você sente vergonha? O que você esconde? O que te disseram para esconder e você levou pra frente? Quais são os seus defeitos (e, porque, você os considera defeitos)?

Trabalhando nosso auto-olhar, autoconhecimento, revirando nossos cantos escuros, aqueles monstros e fantasmas que habitam a mente, reconhecendo as histórias ruins que contamos para nós mesmas, medos, ansiedades, imagens distorcidas no jogo mental de espelhos... então, o que resta? Quem sou eu sem tudo isso, sem tantos adjetivos e pétalas? Com o quê estou me identificando? Ao reconhecer nossos padrões, podemos transformá-los. E ao vermos outras mulheres que sentem e passam por situações semelhantes, nos sentimos, com alívio, mais humanas.

Este é o objetivo dessa vivência. Bem me quero... Mal me quero convida-nos a escrever uma carta endereçada a si mesma, relatando essas crenças equivocadas que sustentamos e que nos formam, para, então, tornar a forma informe e construir para si um outro olhar – amoroso e acolhedor - através de um retrato. Por que um retrato para lidar com questões tão profundas? Vivemos num mundo de imagens. Feche os olhos, o que você vê? Uma imagem vem surgindo em seus pensamentos. Sonhamos imagens, estamos cercados por elas em todos os lados: celulares, telas de computador, tablets, espelhos - janelas de percepções de si e do mundo.

Criar uma nova imagem de si, vinda de um processo de aceitação, é potente e auxilia na construção da busca pela sua essência. Fazer as pazes com o passado de histórias cocriadas, em uma sociedade machista, por nós mesmas, para criar um futuro empoderado e um presente realizado.


Em Sorocaba, Ligia Allipio, fotografa e jornalista também participou do projeto onde fotografou algumas mulheres, ela conta que "A proposta para participar do projeto veio através de uma fotógrafa  e amiga, Melissa Maurer, que além de ser uma referência e inspiração para mim, também tem grande participação na minha caminhada de auto aceitação e na minha jornada como fotógrafa! Participar desse movimento é de grande importância por que tenho como propósito levar a fotografia para mulheres em forma de  terapia, onde elas possam se enxergar,  descobri velhas e novas facetas de si mesmas e principalmente se amarem e se aceitarem em sua inteireza".

E acrescenta que "Acredito também que a experiência de ser fotografada é única e desafiadora  tanto para quem esta posando quanto para quem fotografa, naquele momento cria-se um laço de confiança e cumplicidade, e ver a reação dessas mulheres ao se enxergarem poderosas e lindas em suas particularidades é o melhor retorno que se pode ter! Estamos todas conectadas pelo nosso feminino e  tenho  a grande certeza que quando uma mulher se cura , curamos também outras mulheres a nossa volta! Juntas somos mais fortes!"

 Uma das fotos maravilhosas do projeto:



Confira todas as fotos da fotografa sorocabana, participe da 5 Mostra de Mulheres que vai acontecer no dias 23,24 e 25 de Março no Sindicato dos Metalúrgicos!

Para ver as fotos de outras fotografas que estão participando do projeto, coloque a #bemmequeromalmequero e encontre os diversos relatos de mulheres tendo seu momento de autoconhecimento e principalmente amando a si mesmas.

Em uma sociedade que nos incentiva a amar o que foi determinado pela mídia, ver um projeto desses é revolucionário!

Ficou interessada em participar e somar no projeto? 
Entre em contato com Melissa Maurer, no seu Instagram.
Cel: +55.62.99619.8103
Email: histericas.arte@gmail.com
Instagram: @histericas.arte.

Aproveite essa oportunidade única de mostrar a sua força com outras mulheres do Brasil e do mundo unidas pela essência e da felicidade de ser quem se é!

Entrevista | Electra Mcklein vai fazer você pirar!


Gregory dá vida a drag Electra Mcklein, ela veio com o intuito de quebrar padrões impostos pela sociedade. Electra dá a cara a tapa todos os dias para viver da sua arte e arrasa no vídeo clipe mesmo com orçamento de R$ 10,00. Conheça Electra Mcklein, mas cuidado, ela quer ver você pirar hein?

Kevin Poliser: Quem é Electra Mcklein? O que você acha importante as pessoas saberem sobre você?

Electra Mcklein: A Electra é a expansão e realização de tudo que eu sempre quis passar para as pessoas. Ela é sem padrões, ela tá aí para quebrar os que existe! Louca, corajosa, afrontosa, ama uma catuaba (haha), é sensível, é o que ela sentir necessidade de ser. Tudo começou em 2016. A Electra de alguma forma sempre existiu dentro do Gregory. Só não sabia a hora, nem como, ela seria apresentada ao mundo. Mas um dia as coisas precisam parar de ser só desenhadas e ir para o real. Então comecei a tocar em festas, logo em seguida fiz parte de uma dupla de DJ com uma amiga minha, que teve fim no mesmo ano, pois eu queria poder me dedicar para os meus projetos musicais. Parecia que era a hora de fazer tudo, e realmente era.  É importante as pessoas saberem que eu jamais irei me encaixar em algum padrão, pois até mesmo dentro do meio drag, as pessoas querem colocar um padrão e eu não estou disposta a isso! Eu quero ser o padrão para quem assim como eu, um dia se sentiu rejeitado.

KP: Qual a diferença do Gregory para a Electra?

EM: Creio que a única diferença, é que a Electra é sempre a parte mais forte do Gregory. Ninguém consegue passar por cima dessa barreira que a Electra construiu para proteger o Gregory, e para proteger quem quer que seja. Mais fora isso, somos um só.

KP: A drag music está super em alta, com grande receptividade. Como você vê isso?

EM: Eu acho sim que hoje em dia as pessoas tem dado mais espaço, porém infelizmente, as pessoas estão interessadas em dar espaço para quem já esta em evidência. É muito raro você ver as pessoas abraçando artistas novos e até mesmo dentro da própria cena. Muitas portas são fechadas. Mais é uma luta diária! A algum tempo atrás não dava para imaginar que tudo isso estaria acontecendo aqui no Brasil. Então é de dar orgulho!

KP: No seu ponto de vista, o que é ser uma artista independente no Brasil?

EM: É saber por a cara a tapa, todos os dias. Arrumar dinheiro sem poder para gravar uma música, ou fazer um vídeo com o orçamento de R$10,00. E ainda sim, apresentar sempre seu melhor.

KP: Além de nos fazer pirar, qual a sua meta de carreira?

EM: Eu quero chegar a onde eu nem conheço. Eu amo quando recebo mensagens de lugares que eu nunca pensei que eu estaria, e a música tem esse poder, de conectar as pessoas. Então eu quero que um dia, todos saibam quem sou eu, e que todos se conectem com minha música, independente do resto e eu irei chegar lá!

KP: Recentemente você lançou o single "Sufocada" do seu primeiro EP  'Overdose', o que podemos esperar?

EM: Estou bem ansiosa para o clipe de "Sufocada"! O "OVERDOSE" vai vir para todos os estilos musicais. Eu não quero que esperem um estilo só nele, quero produzir música para todos os gostos. Além disso, ele fala sobre você dar muito amor para algo e se machucar, mas não conseguir parar,  pois você mesmo se sentindo mal, se sente vivo. Se trata sobre ter essa overdose, seja de amar, de saber que é a hora de deixar tudo para lá e ver a vida andar, ou de ir para a balada provocar aquele boy! Então esperem de tudo, um forró, um rock, um reggaeton, vai ter para tudo mundo!


Sigam a Electra no Facebook, no Twitter e Instagram.
Contato para shows: contatoelectramcklein@gmail.com

Ouça "Sufocada" primeiro single do EP "Overdose":



19 de mar de 2018

Everything Sucks | Nostalgia e representatividade


Netflix na maioria das vezes, não nos decepciona!
Dessa vez, ela não falhou e acertou em falar sobre assuntos bem pertinentes, como a saída do armário, primeiros amores, amores após o divórcio e principalmente o quanto projetamos nossos sonhos e desejos nos outros.

Esse é um ponto que quero frisar, pois o pequeno Luke durante boa parte da série vive isso. Sendo filho de mãe solteira, sempre quis estar com seu pai, mas ele os deixou quando ele era ainda era criança e por conta disso, todos os outros relacionamentos de Luke são meio que projeções do que ele idealiza e não do que ele realmente vê do outro.

Luke é um menino nerd e negro que entra na escola sedento por conhecer garotas, se apaixonar, beijar e ter sua primeira namoradinha e até está tudo bem, até ele conhecer Kate, filha do diretor e que durante o começo da série já mostra curiosidade por meninas, mas como ser lésbica nos anos 90? É exatamente isso que a série aborda!

Entre tantas projeções de uns nos outros, Luke projeta fielmente que Kate é sua namorada, sendo que ela ainda está se descobrindo, tentando dar sua voz e se reconhecer em um ambiente totalmente hostil que é a escola. Kate é aquela menina que mesmo sendo nova, já sabe da importância de se reconhecer e lutar por sua voz, entender o que se é, mesmo sem dar pra entender, porque toda uma sociedade te silencia.

Acredito que essa série vá relembrar várias meninas e mulheres a dificuldade de se assumir e a liberdade após sair do armário, além de trazer um pouco mais daquela paixão pura que tem o amor adolescente, sem todo aquele estereótipo de lésbica sex appeal.

Todos os atores do seriado são novos e eu sinceramente não lembro de ter visto eles em outras atuações, mas ainda assim amei a atuação e a paixão que eles trazem. Sem mais delongas, dê uma chance pra essa série! Vai se apaixonar por cada personagem e ter aquela nostalgia gostosinha dos anos 90.